Close

31/07/2018

Por que a amamentação é tão importante para o bebê ?

Por que a amamentação é tão importante para o bebê ?

Por que a amamentação é tão importante para o bebê ?

A amamentação é um processo muito importante para garantir a saúde do bebê e da mãe. O leite materno é rico em água, vitaminas, proteínas, gorduras e outros nutrientes essenciais para o desenvolvimento e para proteção do recém-nascido nos primeiros meses de vida.

A amamentação, de tão importante, tem até semana especial no calendário: o Ministério da Saúde e a Organização Mundial de Saúde (OMS) promovem do dia 1 ao dia 7 de agosto a Semana Mundial da Amamentação, lembrando o quanto o leite materno pode fazer diferença na vida da criança, estimulando as mães a praticarem esse gesto de amor e esclarecendo as principais dúvidas sobre o tema. Se você quer saber tudo o que seu bebê ganha a cada mamada, veja os benefícios que os especialistas destacam.
   

Conheça os principais benefícios e por que a amamentação é tão importante para a saúde do bebê:

Fortalecimento da imunidade
O leite materno contém células de defesa e fatores anti-infecciosos que fortalecem o sistema imunológico e protege o recém-nascido de infecções comuns nos primeiros meses de vida, tais como otite, gastroenterites, doenças respiratórias e infecções urinárias. Além disso, outras doenças mais sérias como a leucemia, diabetes, asma e dermatite podem ser prevenidas com a amamentação.

Redução do estresse
O contato que o bebê tem com a mãe ao ser amamentado é fundamental para acalmá-lo, reduzir o choro e a ansiedade que ele sente. Além disso, a mãe também é beneficiada, pois a amamentação interfere positivamente no seu sistema nervoso, diminuindo o estresse.

Prevenção de alergias
O leite de vaca ou leites artificiais contêm componentes estranhos ao organismo do bebê, que podem causar deficiência de ferro e alergias intestinais, sinusite, rinite, bronquite, amigdalite e dermatite.
Se for alimentado somente com o leite materno, o recém-nascido não fica suscetível a essas alergias, pois as enzimas presentes no leite humano já são conhecidas pelo organismo da criança.

Fortalecimento dos pulmões por meio da amamentação
Outro benefício muito importante é o fortalecimento dos pulmões. Com o esforço que o recém-nascido precisa fazer para mamar, os pulmões e as vias respiratórias são fortalecidos, evitando o surgimento de catarro, chiados no peito, bronquites e asma.

Prevenção de cólicas
As cólicas surgem devido aos gases produzidos pela fermentação do leite no processo de digestão ou pela ingestão de ar na hora da sucção. A amamentação previne as cólicas, pois as proteínas presentes no leite materno, conhecidas como globulinas, são mais fáceis de serem digeridas e não fermentam tanto quanto as proteínas de outros leites. Além disso, a sucção do peito da mãe evita a ingestão de ar, o que não ocorre com a mamadeira.

Combate à anemia
Nos primeiros meses, o leite materno é rico em ferro e pobre em cálcio, por isso, previne a anemia no bebê. A quantidade de ferro presente em qualquer outro leite não é suficiente para o recém-nascido.
Além disso, o cálcio presente em grande quantidade no leite de vaca pode inibir a absorção de ferro pelo organismo.

Desenvolvimento cognitivo
A gordura presente no leite humano é formada por ácidos graxos poli-insaturados, que têm a função de formar neurônios e favorecer as sinapses nervosas.
Como o desenvolvimento do cérebro da criança acontece nos primeiros anos de vida, a gordura presente no leite materno é de extrema importância para a formação perfeita do cérebro do bebê, para o desenvolvimento do raciocínio lógico e para o desempenho de vocabulário da criança.

Crescimento de prematuros
Como o organismo dos bebês prematuros ainda não se formou completamente, o leite materno é essencial para que eles desenvolvam os sistemas digestivo, respiratório, entre outros.
Além disso, os anticorpos presentes no leite são importantíssimos para que o bebê prematuro não adquira alergias, infecções e outras doenças a que estão suscetíveis.

Desenvolvimento da arcada dentária
O movimento realizado na hora da sucção do leite estimula o desenvolvimento dos ossos e da musculatura da face e do crânio, contribuindo para a formação da arcada dentária e fazendo com que os futuros dentes se encaixem perfeitamente na mordida, o que favorece a mastigação, deglutição, fala e respiração perfeita.

Devido todas estas vantagens, a Organização Mundial da Saúde recomenda que o bebê seja alimentado exclusivamente com o leite materno até os seis primeiros meses de vida e de forma complementar até os dois anos de idade.

Claro que a duração do aleitamento dependerá da situação de cada mamãe e bebê. O seu pediatra lhe dirá a duração que beneficiará a ambos.