Close

27/03/2018

TUBERCULOSE

O que é Tuberculose

O que é?

Tuberculose é uma infecção causada pela bactéria Mycobacterium tuberculosis. Pode afetar muitos órgãos, mas atinge com mais frequência os pulmões. É transmitida entre pessoas através do ar por secreções respiratórias (escarro) ou por aerossóis (partículas) expelidas pela tosse, espirro, riso ou respiração. Na maioria das pessoas infectadas, a bactéria fica confinada em um pequeno grupo de células, onde permanece viva mas inativa. Essa infecção latente não causa sintomas, não é transmissível e, na maior parte dos casos, não evolui para doença ativa. Entretanto, em algumas pessoas, especialmente as imunodeprimidas, pode progredir diretamente para tuberculose ativa. Em outras, é possível ocorrer a reativação de uma tuberculose latente.
  
A doença é conhecida há séculos como uma importante causa de morte. Antes da descoberta dos antibióticos, os pacientes eram internados por longos períodos em sanatórios. Embora a incidência tenha diminuído nos países avançados, a tuberculose permanece como a principal causa de morte por infecção no mundo, matando cerca de dois milhões de pessoas por ano.
As populações mais atingidas são as que vivem em locais superpovoados ou confinados, como prisões e favelas, e pessoas com pouco acesso a assistência médica ou com problemas que enfraquecem o sistema imunológico, como desabrigados, alcoólatras, usuários de drogas intravenosas, pacientes com aids, doenças renais ou hepáticas.
Uma preocupação crescente é o aumento da resistência aos medicamentos.

Sinais e sintomas

A infecção latente não causa sintomas.
Os sintomas da tuberculose ativa dependem das partes do corpo afetadas. Na tuberculose pulmonar incluem:

  • Tosse crônica, algumas vezes com sangue no escarro
  • Febre
  • Calafrios
  • Perda de peso
  • Fraqueza

A tuberculose extrapulmonar pode provocar poucos sintomas ou uma grande variedade deles, dependendo dos órgãos afetados. As formas mais comuns são tuberculose pleural, ganglionar, meningoencefálica, pericárdica, óssea e renal.

  • Dor lombar e paralisia (tuberculose da coluna vertebral)
  • Fraqueza provocada por anemia (tuberculose da medula óssea)
  • Dores articulares
  • Dor associada ao trato urinário e ao sistema reprodutor, podendo causar infertilidade
  • Dor abdominal
  • Febre e falta de ar (pericardite tuberculosa)
  • Alteração do estado mental, cefaleia (dor de cabeça) e coma (tuberculose meningoencefálica)

Todos esses sintomas podem ser observados em outras doenças e estados clínicos. O diagnóstico de tuberculose depende da identificação do Mycobacterium tuberculosis nos líquidos corporais ou nos tecidos.
  

Exames

Exames laboratoriais

Teste intradérmico
Um teste intradérmico com um extrato de proteínas do Mycobacterium tuberculosis (PPD – derivado de proteína purificada) detecta e mede a intensidade da reação imunológica retardada à tuberculose. Em países onde a vacinação (ver abaixo) é obrigatória, como o Brasil, seu valor é limitado, porque não é possível distinguir a reação à bactéria da reação à vacina. O insumo para o teste é importado e eventualmente ocorre desabastecimento no Brasil, por isto é importante sempre se informar no laboratório.
Após uma injeção intradérmica de uma dose padronizada do extrato, o local é examinado por um profissional com 48 e 72 horas, e é medido o diâmetro da pápula de eritema.
   
Pesquisa e cultura de bacilos álcool-ácido resistentes (BAAR)
 
Para diagnóstico da tuberculose pulmonar são colhidas de três a cinco amostras de escarro na manhã de dias diferentes, quando é mais provável a eliminação de bacilos. Se houver suspeita de tuberculose extrapulmonar, são colhidos materiais das regiões suspeitas, como lavado ou aspirado gástrico, urina, líquido cefalorraquiano, biópsias e outros.
Esses materiais recebem uma coloração especial (para bacilos álcool-ácido resistentes) e são examinados ao microscópio. A detecção desses bacilos estabelece um diagnóstico presuntivo, a ser confirmado pela cultura, que permite distinguir o Mycobacterium tuberculosis de outros bacilos álcool-ácido resistentes.
Também podem ser usados métodos de amplificação genética (PCR) para a pesquisa de material genético do Mycobacterium tuberculosis. Alguns testes podem ainda identificar as variantes mais comuns com resistência a fármacos.
    

Tratamento

Prevenção 
A disseminação da tuberculose pode ser evitada pela identificação, isolamento e tratamento de pessoas infectadas antes que transmitam a doença.
Uma vacina, chamada BCG (bacilo de Calmette e Guérin) e preparada a partir de cepas atenuadas da bactéria da tuberculose bovina (Mycobacterium bovis), é usada no Brasil para crianças entre 0 e 4 anos de idade. A BCG diminui a frequência de sintomas graves na infecção inicial e parece diminuir a ocorrência de doença ativa em pessoas infectadas.

Tuberculose ativa
A tuberculose ativa sempre deve ser tratada. Após o diagnóstico, o tratamento é feito usando dois ou mais medicamentos durante vários meses e é monitorado com pesquisas de bacilos e culturas.
Embora os sintomas desapareçam após algumas semanas, é importante manter o tratamento durante o período previsto. Pacientes que não forem completamente curados podem apresentar recidivas (retorno da doença) com bactérias resistentes aos medicamentos usados anteriormente, e precisam de tratamento adicional, durante vários meses, com medicamentos mais tóxicos.